Edição 318 | 2018

Home/ Revista/ Edição 318/ Saúde/ Pé, meu querido pé


Clique para ver a versão impressa [+]
21/06/2018 16:01

Pé, meu querido pé

Confira as melhores dicas para cuidar de seus pés nesse inverno

Divulgação
No inverno, é normal usarmos calçados fechados e botas, deixando assim os pés escondidos. O ambiente fechado, escuro, quente e úmido criado é perfeito para a proliferação de fungos, bactérias, micoses e frieiras. Além disso, o uso de meias grossas no inverno agravam a transpiração e o aparecimento de fungos ou bactérias que exalam odor desagradável, o chulé.

“O mau cheiro nos pés é causado por ações de bactérias por fermentação de suor ou restos celulares (pele morta). Diabetes, alcoolismo, alimentações contendo cebola, alho e pimenta, uso de determinados medicamentos e até mesmo hormônios são outras causas do chulé”, explica a podóloga Patrícia Thenório.

Além disso, meias sintéticas, falta de escovação das unhas, não secar bem os pés e cantos de unhas, usar calçados ou meias de outras pessoas e andar descalço podem ocasionar o mau cheiro ou até mesmo frieiras e micoses. “O uso de sapatos fechados não colabora com o chulé desde que se tome todos os cuidados necessário e a higienização seja feita corretamente. O ideal é lavar e esfregar os pés com bucha, água e sabão, além de escovar as unhas. Em seguida, é preciso enxugar muito bem, com uma toalha limpa”, recomenda Patrícia.
Com relação aos cuidados, alternar o uso de sapatos e deixá-los em locais arejados, lavar os calçados, inclusive palmilhas e cadarços, com sabão neutro e deixar secar bem, são algumas alternativas para evitar o problema.
Unhas encravadas também são comuns nessa época, causadas pelo corte inadequado e/ou calçados apertados. Já as calosidades aparecem como uma proteção criada pela pele em áreas que sofrem muito atrito e pressão ocasionada por calçados apertados. Frequentar um podólogo não só trata, mas também evita o aparecimento desses problemas.

“O principal cuidado para quem gosta de andar com os pés descalços é hidratá-los muito bem, para evitar que fiquem ressecados. Tomar bastante água e usar hidratantes são medidas que devem ser tomadas”, explica a podóloga Cristina Lopes. Ela ressalta que o hábito de andar descalço tende a deixar a pele do pé mais espessa e ressecada. Por isso, a hidratação é essencial.

Micose nas unhas
As unhas assim como qualquer parte do nosso corpo, para serem saudáveis, necessitam de nutrientes e oxigênio, que são fornecidos através do sangue. “Além das alterações mecânicas, as unhas recebem pressão do corpo e dos calçados constantemente, fazendo com que elas, muitas vezes, fiquem espessas, descolem do leito ungueal e adquiram um curvamento acentuado nos cantos, comprimindo os microvasos que as nutrem e as terminações nervosas responsáveis pela dor”, explica a podóloga Eva, que tem mais de 15 anos de esperiência na área.
Uma vez que a unha se descole do leito ungueal ela nunca mais volta a aderir e então começa a reter umidade do banho e do suor, pelos das meias, poeira e células mortas. “Este ambiente fica propício ao acúmulo de fungos, e um de seus alimentos prediletos são materiais em decomposição e a queratina principal componente da unha”, enfatiza.

Por isto não basta só tomar ou passar os remédios, é preciso remover a parte descolada das unhas e corrigir os cantos para que o sangue circule de maneira adequada voltando a nutrir, oxigenar e fazer com que as células que produzem as unhas, possam dar continuidade ao processo.
“Se o descolamento da unha estiver até a metade é possível a própria pessoa cortar e lixar, isto dará condições para a nova unha se formar, porém, se o descolamento atingiu a raiz, somente um bom profissional da Podologia pode resolver o problema”, garante Eva.

Eva Podologia
Av. Paes de Barros, 539 - Mooca
F: 2604.8419 / 98286.3884
Divulgação
Divulgação