Edição 308 | 2017

Home/ Revista/ Edição 308/ Economia


Clique para ver a versão impressa [+]
03/08/2017 12:37

Nacionalidade portuguesa

Incertezas sobre o fim da recessão econômica no Brasil faz aumentar a procura por alternativas de vida em outros países

Divulgação
Morar em outro país é um sonho alimentado por muitos brasileiros. Com a recessão econômica, essa passou a ser uma opção para ainda mais indivíduos que querem buscar novas oportunidades, mais segurança, educação e saúde de qualidade.
Na busca por um país que seja acolhedor e ofereça oportunidades de trabalho, Portugal tem se destacado na lista de desejos dos que almejam ‘começar de novo’ seja sozinho ou na companhia da família. A língua com certeza é uma vantagem pois, mesmo com algumas diferenças de pronúncia, a adaptação pode ser muito mais fácil, principalmente das crianças que já estarão sofrendo um grande processo de mudança.

A assessora de cidadania portuguesa, Maria Nazareth Pereira, conta que após o início da crise econômica no Brasil, a procura pela nacionalidade lusitana aumentou. “Muitas famílias hoje pensam em tentar uma nova vida fora do Brasil e vários pais estão pensando na possibilidade de enviar seus filhos para estudar fora. No caso do turista, além de toda a facilidade de visto e documentação que você obtém com um passaporte português, em todos os países da União Europeia o portador possui o direito de utilizar os hospitais públicos o que gera um conforto maior ao viajante”, esclarece.

Além disso, “Portugal é um país com boas relações diplomáticas. O passaporte português permite viajar para 171 destinos sem visto, de acordo com o ranking do estudo Visa Restrictions Index 2017, da consultora Henley & Partners, que contempla 219 destinos. O país surge em sexto lugar, ao lado de Canadá e Suíça. A facilidade em viajar e morar são hoje os principais motivos pelos quais os meus clientes me procuram. Um cidadão português pode permanecer nos Estados Unidos por até três meses sem visto, pagando apenas uma taxa de autorização, por exemplo”, completa Maria Nazareth.

Herança portuguesa
Os clientes que costumam procurá-la sempre têm boas histórias de família para contar, mas além de incríveis memórias, a assessora precisa saber qual pessoa da família do interessado é portuguesa para verificar se ele possui o direito a nacionalidade. “Têm direito, filhos, netos e esposas(os) de portugueses. Além disso, quem vive em união estável com português e judeus sefarditas portugueses”, detalha. Algumas mudanças recentes nas regras para obtenção da nacionalidade portuguesa, facilitaram o processo, principalmente para os netos dos lusitanos. “Antigamente o processo contava com muita burocracia e netos maiores de 18 anos não eram elegíveis para a nacionalidade. A mudança desburocratiza o processo permitindo que netos de qualquer idade possam obter a nacionalidade portuguesa, mesmo se o filho de português, no caso o pai ou mãe do solicitante, já faleceu sem ter sido nacionalizado. Além disso, para esses casos, o consulado está sendo menos rigoroso na documentação exigida” garante.

Assessoria
Contudo, tirar uma nova nacionalidade nem sempre é tão simples, são muitas etapas a serem seguidas, prazos, além de toda a documentação necessária que deve ser enviada. Por isso, o trabalho dos assessores é fundamental no processo. “Quando você contrata um serviço como o que eu presto, evita pequenos erros e reenvio de documentação que podem prolongar ou até inviabilizar o processo de cidadania. Nós conhecemos as etapas do processo e, ter uma assessoria, gera facilidade e muitas vezes agiliza o tempo de espera do cliente, já que cuidamos dele durante todo o caminho até que ele se torne um cidadão português”, enfatiza Maria Nazareth.

O processo varia para cada caso. Basicamente, se você é a primeira pessoa da família a realizar o pedido de cidadania, o passo inicial será sempre a regularização da situação civil do natural português (casamento e/ou falecimento), perante Portugal. Tendo a documentação regularizada, é possível iniciar o processo entregando diversos documentos que comprovam a ligação entre o solicitante e o cidadão português. “O processo para os cônjuges é um pouco mais demorado pois, além de toda a documentação já pedida, existe a necessidade de uma comprovação dos laços que o cônjuge possui com Portugal”, ressalta.

O cliente é responsável por levantar a documentação, mas em alguns casos, quando os documentos são muito antigos ou se perdem, é trabalho do assessor auxiliar os clientes a encontrar a documentação necessária seja no Brasil ou em Portugal, para dar continuidade ao processo. “Dado entrada na nacionalidade eu acompanho todo o andamento até que meus clientes recebam o cartão cidadão e o passaporte português”, finaliza a especialista.

Maria Nazareth Pereira
Assessora de cidadania
portuguesa
mnpereira@hotmail.com
F: 2671.6167 / 99997.1467
Divulgação
Divulgação