Edição 304 | Março/17

Home/ Revista/ Edição 304/ Finanças


Clique para ver a versão impressa [+]
30/03/2017 12:21

Na riqueza ou na pobreza...

Rescessão econômica afeta vida financeira das famílias e é preciso muito diálogo para não deixar o relacionamento também entrar em crise


Se tem um assunto que não sai da cabeça de muita gente, é a crise econômica. O pior é que, além de afetar o bolso, esse cenário também acaba assombrando muitos relacionamentos. “Desde o último ano, estamos vivendo e sentindo os desdobramentos de uma crise com impactos profundos na rotina das famílias. Momentos como esse podem gerar um estado de tensão, ansiedade e ameaça que refletem diretamente na saúde emocional das pessoas, podendo também afetar suas relações. Mas, e você? Tem sentido esse impacto no seu relacionamento?”, questiona a terapeuta de casal e família com especialização em Sexualidade Humana, Tatiana Leite.

Segundo a especialista, um dos motivos que mais leva casais ao consultório em busca de terapia são as divergências em relação ao dinheiro que, muitas vezes, provocam separações por razões irreconciliáveis. “É comum surgirem conflitos quando um dos parceiros perde o emprego ou quando há dificuldade em manter as contas em dia ou ainda quando projetos precisam ser adiados ou repensados, como a compra da casa própria, o planejamento de um filho, etc.”, destaca.

A crise está associada ao medo de não ser capaz de suprir as necessidades financeiras básicas da família e a impossibilidade de manter o padrão de vida, trazendo repercussões psicológicas que vão acometer as pessoas em maior ou menor grau, dependendo dos recursos que cada casal tem em seu repertório para viver momentos de crise. Além disso, se houver uma falta de perspectiva de futuro no relacionamento, esse momento acaba se tornando uma fonte ainda maior de estresse, aumentando a propensão à Depressão e ao consumo de álcool ou drogas.

Sem papo
Tatiana enfatiza que, muitas vezes, por medo de causar desentendimentos e desgastes, alguns casais evitam dialogar sobre o assunto e, quando os problemas surgem, fugir parece ser a solução mais fácil. Se o relacionamento está desgastado, a sensação de solidão é devastadora e os reflexos são sentidos na relação com o parceiro, através de cobranças. Mas, assim como nos negócios, a crise pode gerar grandes oportunidades nos relacionamentos.

“É importante que os casais entrem em um consenso em como utilizar o dinheiro. O assunto pode ser um tabu, mas conversar abertamente sobre isso é essencial para manter a saúde financeira da família. Fazer ajustes e redirecionar projetos de vida podem trazer muitos benefícios para o relacionamento. Então, reserve um momento para conversarem sobre a situação, olhem os extratos bancários, investimentos, contas básicas, boletos, faturas do cartão de crédito. Em seguida, analisem as contas e o orçamento atual e decidam quais gastos podem ser reduzidos e onde devem investir. Superar a crise sem afetar o relacionamento é um desafio para o casal e a família, mas é possível, basta ter em mente que é preciso sempre muita conversa. Aliás, esse é um dos aspectos da crise, trazer a proximidade do casal, cumplicidade e superação, são marcas positivas do enfrentamento de desafios”, recomenda.