Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ SP fecha parceria com BID para...

SP fecha parceria com BID para investir R$ 836 milhões em saúde

Publicada em : 10/07/2014

Verba será destinada para a construção de hospitais, Unidades Básicas de Saúde e centros de atenção psicossocial em cinco regiões do Estado


O governador Geraldo Alckmin assina nesta quarta-feira, 25 de junho, parceria inédita com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) que irá garantir o investimento de R$ 836 milhões extras na saúde pública do Estado de São Paulo.

O contrato irá permitir o financiamento de investimentos destinados a execução de projetos desenvolvidos pela Secretaria de Estado da Saúde nas regiões de Bauru, Campinas, Vale do Ribeira, Vale do Paraíba e Sorocaba.

Do total a ser investido no SUS (Sistema Único de Saúde) paulista por meio da parceria, R$ 594 milhões serão financiados pelo BID e R$ 242 milhões pelo governo do Estado.

Com isso, 153 obras de reforma ou construção de unidades de saúde serão realizadas em todo o Estado. Serão construídas 70 novas Unidades Básicas de Saúde municipais e reformadas 54.

Além da reforma de oito Caps (Centros de Atenção Psicossocial), das Santas Casas de Avaré, Itapeva e Apiaí e dos Departamentos Regionais de Saúde das cinco regiões contempladas no pacote de investimentos, o financiamento do BID ainda será aplicado na construção de dois hospitais estaduais, localizados nos municípios de Registro e de Caraguatatuba, do  AME (Ambulatório Médico de Especialidades) de Avaré e de mais 10 Caps.

 Os investimentos terão o prazo de cinco anos para serem concluídos.

“O governo do Estado de São Paulo vem buscando, cada vez mais, novas parcerias que facilitem o financiamento de projetos desenvolvidos com o objetivo de ampliar e melhorar o acesso da população a serviços de saúde modernos, bem equipados e próximos de sua residência”, diz David Uip, Secretário de Estado da Saúde de São Paulo.

As regiões que receberão os investimentos do BID foram escolhidas pela Secretaria após um estudo que teve como critérios questões epidemiológicas e necessidades regionais, entre outros.

Fonte:Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo