Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ Doença Celíaca atinge 1% da po...

Doença Celíaca atinge 1% da população mundial

Publicada em : 22/05/2019

Dieta balanceada e acompanhamento nutricional reduzem os sintomas e ampliam qualidade de vida


Transmitida geneticamente e desencadeada pela ingestão de glúten, a Doença Celíaca afeta o sistema imunológico de 1% da população mundial, conforme os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A nutricionista do Grupo São Cristóvão Saúde, Cintya Bassi, explica que pela falta da enzima responsável pela quebra do glúten, essa proteína fica acumulada no intestino delgado, então o corpo passa a atacar a região, dificultando a absorção de nutrientes.
A dificuldade no diagnóstico
No Brasil, a Associação de Celíacos estima que um a cada 600 habitantes possuam a doença, mas esse número pode ser muito maior. O diagnóstico da doença costuma ser demorado, isso porque os sintomas da celíaca são similares aos de outras doenças, então a confirmação só é obtida por meio de uma biópsia, da observação contínua da alteração no revestimento interno do intestino delgado e de exames de identificação de anticorpos.
Os sintomas vão desde físicos a emocionais, incluindo anemia, vômito, diarreia crônica, alteração do peso corporal, atraso no crescimento, alteração de humor, dores abdominais, aftas de repetição e osteoporose. “Muitos pacientes só são diagnosticados quando estão debilitados, por conta da baixa taxa de absorção de nutrientes essenciais, mas isso tem melhorado com a maior atenção que tem sido dada à doença”, afirma Cintya.
Convivendo com a doença
Após o diagnóstico, o paciente começa uma dieta com restrição total de alimentos a base de grãos que contenham glúten, como o trigo, o centeio, a cevada e o malte. Também se aconselha a retirada da aveia que, por ser armazenada, processada e transportada junto com o trigo, acaba sofrendo contaminação cruzada, ou seja, ela contém traços de glúten pelo contato com outros grãos.
Há alguns anos, essa exclusão da proteína acabava removendo quase todos os carboidratos da alimentação dos celíacos, devido à utilização de farinha de trigo em grande parte desses alimentos e aos altos preços de produtos sem glúten. “Com a moda das dietas de emagrecimento sem glúten, a indústria passou a produzir mais produtos para atender a esse público, aumentando tanto as quantidades quanto a variedade, o que abaixou o preço desses alimentos no mercado”, afirmou a especialista do São Cristóvão.
Para substituir a farinha de trigo nas receitas, a nutricionista recomenda que os celíacos utilizem farinhas de arroz, de milho e de maisena, assim como polvilho e fécula de batata. Já para quem não tem nenhum tipo de intolerância ao glúten, ela aconselha que a proteína não seja retirada, mas que as farinhas normais sejam substituídas pelas integrais, que possuem maior quantidade de fibras e favorecem no funcionamento do intestino e do sistema imunológico.
Sobre o Grupo São Cristóvão Saúde:
Administrado pela Associação de Beneficência e Filantropia São Cristóvão, o Grupo São Cristóvão Saúde é constituído pelas seguintes Unidades de Negócio: Hospital e Maternidade Geral, Plano de Saúde, 4 Unidades Ambulatoriais, Filantropia, Centro de Atenção Integra à Saúde (CAIS), Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) e Hotel Recanto São Cristóvão, localizado em Campos do Jordão. Tradicional no atendimento à saúde, a Instituição completou 107 anos em 2018, e vem promovendo uma grande modernização, através da gestão administrativa dirigida pelo CEO/ Presidente, Engº Valdir Pereira Ventura, em sua estrutura física e tecnológica, investindo em equipamentos, certificações e profissionais qualificados. Atualmente, o Hospital e a Maternidade aumentou a capacidade de internação passando de 171 para 258 leitos, além das 4 Unidades dos Centros Ambulatoriais e o Centro de Atenção Integral à Saúde que realizam, diariamente, milhares de consultas, proporcionando qualidade assistencial as 120 mil vidas do Plano de Saúde.

Fonte:Máquinacohn&wolfe