Saúde

Home/ Notícias Online/ Saúde/ No outono, cuidados com a saúd...

No outono, cuidados com a saúde respiratória precisam ser redobrados

Publicada em : 15/05/2019

Durante essa época do ano, algumas medidas simples podem ser tomadas para evitar doenças comuns e desconfortos causados pelo tempo mais seco

O outono é a época do ano em que o clima é mais seco e é também, nesse período, que os desconfortos respiratórios parecem estar mais presentes. E isso não é ao acaso. O tempo árido realmente é mais propício ao aparecimento de algumas doenças respiratórias, mas que, com alguns cuidados, podem ser evitadas.

Gripes, sinusites, resfriados, alergias e até mesmo pneumonia são algumas das doenças mais comuns neste período. Um dos principais motivos para esse aumento, que em 2017 chegou a atingir 40%, é que a baixa umidade favorece a proliferação de vírus e bactérias. Outro ponto é que o clima também favorece as pessoas a ficarem em lugares mais fechados e com consequente menor circulação de ar.

“Como o ar está mais seco, é normal que as células do corpo sigam o padrão e fiquem mais desidratadas. Um exemplo prático para notar isso são os ressecamentos das mucosas, como nariz, boca e olhos, e até a pele”, conta Dr. Humberto Bogossian, pneumologista da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Também explica que a qualidade do ar é um dos agravantes, já que a poluição fica mais concentrada.

Em um primeiro momento, pode parecer quase impossível evitar a exposição ao tempo seco, já que é uma condição climática característica desta época do ano, porém, é possível amenizar o desconforto. “Existem algumas dicas e cuidados que ajudam a diminuir a chance de desenvolver essas doenças, algumas atenções e escolhas práticas no dia-a-dia”, conta Dr. Bogossian. Abaixo, estão algumas delas:


1. Evitar ficar em lugares muito abafados e cheios – Os vírus e bactérias adoram estes lugares que facilitam a transmissão de doenças. Procurar lugares mais arejados, com alguma circulação de ar;

2. Hidratar-se – As células que estão mais ressecadas tendem a ficar doentes mais facilmente. Portanto, também é importante hidratar as mucosas, com colírios, soro fisiológico e até mesmo colocando algumas toalhas molhadas pela casa ou no quarto. O uso de umidificadores é útil e auxilia a manter a umidade adequada nos ambientes;

3. Deixar as vacinas em dia – Além da prevenção, as vacinas ajudam a controlar o número de casos das doenças, diminuindo toda a rede de transmissão;

4. Cuidar da imunidade – Deixar o sono em dia, manter a alimentação equilibrada e sem exageros e a prática rotineira de atividades físicas são as dicas de praxe para cuidar da saúde. Não seria diferente nessa época do ano em que a atenção precisa ser redobrada;

5. Estar preparado para as mudanças de temperatura – É normal que, nesta época, a temperatura do dia oscile entre momentos mais frios e outros mais quentes, por isso, é prudente estar preparado para sempre ter um agasalho por perto;

6. Lavar as mãos – Entre uma atividade e outra, lembrar-se de higienizar as mãos;

7. Pacientes com doença crônica devem manter as medicações e habituais e visitas regulares aos serviços de saúde de referência.

Sobre a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein
A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein é uma sociedade civil sem fins lucrativos. Tem mais de 60 anos de história e atua nas áreas de assistência à saúde, educação e ensino, pesquisa e inovação e responsabilidade social. Conta com 13,2 mil colaboradores, 9,4 mil médicos e está sediada em São Paulo. O Einstein possui o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) e é qualificada como Organização Social da Saúde para atuar na prestação de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS). Seu compromisso com o desenvolvimento amplo do sistema de saúde se traduz na oportunidade de melhoria e na construção de novos modelos de trabalho ajustados aos desafios atuais. O Einstein integra fóruns nacionais e internacionais de discussão e participa ativamente de iniciativas conjuntas com o poder público, órgãos reguladores, hospitais, operadoras de planos de saúde e entidades setoriais para o desenvolvimento do sistema de saúde brasileiro.

Fonte:JeffreyGroup