Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Dengue

Dengue

Publicada em : 04/06/2014

Áreas comuns de condomínios podem ‘esconder’ focos do mosquito

divulgação
Com a alta dos casos de dengue na cidade de São Paulo, um alerta para os síndicos: os condomínios residenciais podem esconder, nos apartamentos e em suas áreas comuns, foco do mosquito Aedes Aegypti, vetor da doença.

A Lello, empresa líder em administração condominial no Estado, está reforçando junto aos síndicos a necessidade de orientar os moradores sobre as medidas preventivas para evitar a proliferação do mosquito, especialmente em relação ao acúmulo de água parada em recipientes como vasos de planta, garrafas e latas nos apartamentos.

Além disso, é preciso redobrar os cuidados com as áreas comuns dos edifícios, como jardins, piscina, caixa d’água, fosso de elevadores, ralos externos, marquises e canaletas de drenagem para água da chuva.

“O esforço conjunto de síndicos, zeladores e funcionários, aliado ao trabalho das autoridades em saúde, é fundamental para o controle da dengue nos condomínios residenciais e comerciais”, afirma Angélica Arbex, gerente de Relacionamento com o Cliente da Lello Condomínios.


Cuidados necessários nas áreas comuns dos condomínios:


•    Ralos externos e canaletas de drenagens para água da chuvas: usar tela de nylon para proteção ou colocar sal semanalmente.

•    Ralos internos de esgoto: colocar tampa abre-e-fecha ou tela de nylon (trama de um milímetro) ou, ainda, duas colheres de sopa de sal, no mínimo, semanalmente.

•    Lajes e marquises: manter o escoamento de água desobstruído e sem depressões que permitam acúmulo de água, eliminando eventuais poças após cada chuva.

•    Calhas: manter sempre limpas e sem pontos de acúmulo de água.

•    Fossos de elevador: verificar semanalmente se existe acúmulo de água, providenciando o escoamento por bombeamento.

•    Vasos sanitários sem uso diário: manter sempre tampados, acionando a descarga e semanalmente; caso não possuam tampa, vedar com saco plástico aderido com fita adesiva. Não sendo possível a vedação, acionar a válvula semanalmente, adicionando a seguir duas colheres de sopa de sal.

•    Caixas de descarga sem tampa e sem uso diário: tampar com filme plástico ou saco plástico aderido com fita adesiva.

•    Pratos e pingadeiras de vasos de plantas: substituir a água por areia grossa no prato ou pingadeira, até a borda.

•    Caixas d´água: mantê-las vedadas (sem frestas), providenciando a sua limpeza periodicamente.

•    Piscinas em período de uso: efetuar o tratamento adequado com cloro.

•    Piscinas sem uso frequente: reduzir o máximo possível o volume de água e aplicar, semanalmente, cloro na dosagem adequada ao volume de água.

•    Recipientes descartáveis: acondicionar em sacos de lixo e disponibilizá-los para coleta rotineira da limpeza pública.

•    Bromélias: substitua por outro tipo de planta que não acumule água. Enquanto esta providência for adotada, regar abundantemente com mangueira sob pressão, duas vezes por semana.




Fonte:Lello Condomínios