Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Comércio em queda

Comércio em queda

Publicada em : 03/06/2014

Primeira queda de vendas em onze meses

Divulgação
 comércio do Estado de São Paulo faturou em março R$ 39,430 bilhões, ao recuar 3,9% em relação a igual mês de 2013 - descontada a inflação do período. O resultado, no entanto, foi melhor que o de fevereiro, com crescimento de 3,2%. Os números são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

Seis dos dez segmentos pesquisados tiveram baixas de vendas no comparativo anual - março de 2014 contra março de 2013. O faturamento das lojas de departamentos foi o que proporcionalmente mais caiu no período, com recuo de 29,7% para R$ 1,612 bilhão. Ao registrarem redução de 15,7%, totalizando R$ 5,174 bilhões, as concessionárias de veículos amargaram o segundo pior desempenho. As lojas de eletrodomésticos e eletrônicos também apresentaram considerável diminuição de vendas, ao somarem R$ 1,698 bilhão (-7,2%). Os supermercados encerraram o mês de março com R$ 12,339 bilhões, registrando baixa de 2,8%. Outra atividade que contribuiu para o resultado negativo do comércio em geral foi a de vestuário, tecidos e calçados, após queda de 2,5% aos R$ 3,335 bilhões. As lojas de móveis e decoração faturaram R$ 587,6 milhões, caindo 1,2%.

Pelo lado positivo, os desempenhos de quatro segmentos evitaram um resultado ainda mais desfavorável para o varejo do Estado de São Paulo. As lojas de materiais de construção, por exemplo, aumentaram a receita em 1,5% apontando R$ 2,963 bilhões. A atividade de autopeças e acessórios cresceu 2,4%, com R$ 754,8 milhões de receita. Já as farmácias e perfumarias tiveram faturamento aumentado em 3,6% no período, aos R$ 2,348 bilhões. As outras atividades do comércio - nas quais os postos de combustíveis possuem maior relevância - faturaram R$ 8,619 bilhões, após crescerem 5,8%.

Entre as 16 regiões analisadas, Sorocaba e cidades vizinhas foram destaque, com crescimento de 4,8% entre março de 2013 e março de 2014, apontando R$ 2,023 bilhões. O comércio do ABCD foi o que mais sofreu queda, ao registrar R$ 2,291 bilhões (-8,2%). Na capital paulista, o desempenho do varejo também foi ruim, baixando 5,9% aos R$ 12,108 bilhões. Além dessas duas áreas no Estado, nove reduziram o faturamento. Tal comportamento, de acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, sinaliza para perspectivas menos promissoras para o varejo em 2014, já manifestadas com a deterioração sistemática na confiança e na intenção de consumo das famílias, em uma conjuntura econômica nebulosa.

Nota metodológica
A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) utiliza dados da receita mensal informada pelas empresas varejistas ao governo paulista por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

As informações, segmentadas em 16 Delegacias Regionais Tributárias da Secretaria, englobam todos os municípios paulistas e dez setores (autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de departamentos; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados; e outras atividades).

Os dados brutos são tratados tecnicamente de forma a se apurar o valor real das vendas em cada atividade e o seu volume total em cada região. Após a consolidação dessas informações, são obtidos os resultados de desempenho de todo o Estado.

Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Responsável por administrar, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes e congrega 155 sindicatos patronais que respondem por 11% do PIB paulista - cerca de 4% do PIB brasileiro -, gerando em torno de cinco milhões de empregos.

Fonte:Assessoria de imprensa FecomercioSP