Notícias

Home/ Notícias Online/ Notícias/ Leptospirose

Leptospirose

Publicada em : 07/02/2019

Alagamentos provocados pela chuva de Verão expõem população à risco

O período do Verão costuma ser marcado por maior quantidade de chuvas. Nos dias de temperaturas elevadas, as precipitações refrescam a atmosfera, porém, o grande volume de água provoca alagamentos e transtornos. Não apenas bens materiais são perdidos, como também as populações afetadas são expostas às doenças, como a leptospirose. O contato direto com a água da chuva pode representar um risco elevado de contaminação.

Segundo dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, de 2007 a 2016 foram registrados 39.623 casos da doença no Brasil, uma média anual de 3.926 casos. As regiões Sul e Sudeste foram as que tiveram maior incidência e o período de outubro a março apresentou maior número de casos.

Os principais agentes transmissores da leptospirose são os ratos, que por meio da urina eliminam a bactéria causadora da doença, a Leptospira. Portanto, evitar o contato com a água de enxurradas e enchentes é o mais recomendado como medida preventiva, assim como evitar lavar sem proteção adequada quintais, caixas de esgoto e áreas que possam ter sido contaminadas.

Em caso de moradias alagadas pela água da chuva, o infectologista da Unidade Referenciada Oswaldo Cruz Vergueiro do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Dr. Filipe Piastrelli, indica medidas necessárias para limpar os ambientes e utensílios. "Deve-se usar luvas, botas de borrachas ou outro tipo de proteção, como sacos plásticos duplos, para as pernas e braços. O que não puder ser recuperado deve ser descartado e a lama que permanecer nos ambientes, utensílios, móveis e outros objetos deve ser removida com escova, sabão e água limpa. Os alimentos devem ser descartados, pois mesmo se forem lavados ainda podem estar contaminados".
O especialista diz ainda que em casos em que não há a chance de evitar o contato com a água e lama das enchentes, o ideal é permanecer o menor tempo possível e evitar que crianças nadem e brinquem neste ambiente.

"Em geral, os primeiros sintomas são dores pelo corpo, febre e dor de cabeça. Podem ocorrer tosse seca, vômitos e diarreia. Nos casos graves, o paciente pode evoluir com icterícia, que é o amarelamento da pele e dos olhos por alterações hepáticas, insuficiência renal, insuficiência respiratória e hemorragias", explica o infectologista.
O tratamento com antibióticos e internação hospitalar para suporte às alterações que podem ocorrer reduzem o risco de complicações graves. Dentre os casos mais graves, a letalidade pode atingir 40% dos pacientes. No período de 2007 a 2016, o Boletim Epidemiológico identificou uma taxa de letalidade geral de 8,9%.

Fonte:Conteúdo Comunicação