Educação

Home/ Notícias Online/ Educação/ Educação a distância aproxima ...

Educação a distância aproxima o cidadão brasileiro do conhecimento

Publicada em : 19/09/2014

Avanços tecnológicos contribuem para a democratização do ensino no país


De acordo com a última pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil já possui mais de 202 milhões de habitantes.  É a quinta maior população mundial, neste que é o 5º país mais extenso do planeta. E um dos principais desafios, nesse cenário, é possibilitar o acesso da população a políticas públicas, como saúde e educação, essenciais para o desenvolvimento econômico e social de uma nação.

E quando falamos em democratização da educação é ponto pacífico que a educação a distância vem contribuindo, e muito, com esta tarefa. A EaD, principalmente após o advento da internet, se mostrou capaz de chegar aos lugares mais remotos do país, nos quais o acesso ao ensino tradicional é limitado. “Se a expansão de escolas presenciais não acompanha a demanda, seja por razões políticas ou econômicas, a educação a distância pode ajudar a suprir essa deficiência. Com a ampliação do alcance da internet , milhares de pessoas podem agora concluir a educação básica, cursos técnicos e até mesmo o ensino superior sem se deslocar e, sobretudo, com excelente conteúdo e baixo custo”, afirma Eduardo Alves, diretor do Instituto Monitor, escola referência em educação a distância no Brasil . “E, o mais importante, é que muitos dos programas oferecidos a distância na atualidade já são regulados pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação, estabelecida pelo Ministério da Educação (MEC), o que garante que o aluno terá o mesmo reconhecimento e oportunidades que aquele que cursa um programa presencial”, ressalta.

Ainda, segundo Alves, a educação a distância não tem o intuito de substituir o ensino presencial. “A EaD é mais uma alternativa e também tem uma função social. Ela é uma aliada no processo de socialização do ensino, pois é extremamente inclusiva. Num país com dimensões continentais como o nosso, ela é uma opção eficaz de acesso ao conhecimento, pois a tecnologia encurtou as distâncias”, afirma Alves.

Atualmente, a procura por cursos da modalidade educação a distância só vem crescendo no país, seja para cursos técnicos (nível médio), corporativos, livres ou superiores. Dados do MEC, apontam que entre os anos 2011 de 2012, a educação a distância teve mais matrículas (12%) do que a educação presencial (3,1%). Além disso, é esperado que até 2022 mais de um milhão de pessoas estejam matriculadas nesta modalidade de ensino, representando 16% do total de matrículas no mercado e um crescimento médio de 3,8% por ano. Para o diretor do Instituto Monitor, os conteúdos cada vez mais qualificados e sofisticados estão atraindo estudantes, que até então questionavam a qualidade e a eficácia destes cursos. “Hoje, o ensino a distância já não é mais considerado como uma formação complementar ou inferior ao ensino presencial. As pessoas aproveitam os benefícios que a EaD oferece e a utilizam como opção para sua capacitação e formação técnica”, informa.

Só o Instituto Monitor tem mais de 80 mil alunos matriculados e oito polos abertos ao público e 16 polos in company (localizados dentro de empresas). Os polos estão distribuídos em três estados (São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro).  A escola, que deu início à educação a distância no Brasil, em 1939, por meio dos tradicionais cursos por correspondência, já contabiliza mais de 5 milhões de alunos em sua história. E esta demanda está intimamente ligada com o aquecimento do mercado de trabalho que precisa, cada vez mais, de mão-de-obra de excelência e novos talentos. “Alinhado as tendências deste mercado, recentemente o Instituto lançou o Monitor Corporativo, que desenvolve programas de capacitação customizados para empresas, tanto nos formatos presencial e semipresencial quanto on-line. O sucesso da iniciativa mostra que os empreendedores brasileiros também estão dispostos a ganhar a briga contra o analfabetismo, baixa escolaridade e deficiências na capacitação profissional ”, finaliza o executivo.

Fonte:Dezoito Comunicação