Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Terça no Hiper

Terça no Hiper

Publicada em : 07/03/2013

Ferretti protagoniza e assina a tradução de peça inédita francesa, que estreia no Teatro Augusta


O espetáculo Terça no Hiper – solo estrelado por Fábio Ferretti - estreia no dia 15 de março, sexta-feira, na Sala Experimental do Teatro Augusta, às 21h30, sob direção de Vany Alves. O texto, assinado pelo dramaturgo francês Emmanuel Darley e traduzido pelo próprio ator, tem como fio condutor a delicada relação entre uma filha e seu pai.

Com narrativa não-linear Terça no Hiper apresenta o drama de Paula. Depois de muitos anos sem qualquer contato, ela sente-se impelida a cuidar do pai idoso, após a morte da mãe. Mesmo ele não aceitando seu jeito de ser, além de ainda chamá-la pelo nome de “Paulo”, a personagem mantém semanalmente o ritual.

Esta é a primeira vez que Darley tem uma obra sua traduzida e montada no Brasil. Segundo Fábio Ferretti o que o fez escolher este texto para protagonizar foi o nó existente na relação do pai com a filha de 50 anos. “É difícil entender como ela, que é uma transexual, consegue frequentar uma cidade da qual não gosta para manter esse compromisso com o pai que sempre a rejeitou. Que afeto é esse que a mantém ligada ao pai?”. Questiona o ator.

Terça no Hiper faz o recorte em um desses dias de visita. Todos aqueles que aparecem na história são apresentados pela memória de Paula de forma narrativa, mas carregados pelo tom da fala dessas pessoas. A retomada da convivência com o pai e o reencontro com os moradores da cidade, personagens de sua história já esquecida, colocam Paula em confronto com as sombras do seu passado.

A diretora Vany Alves explica que as memórias da personagem começam com um tom mais narrativo até o momento em que as lembranças surgem adornadas pela dor e pela angustia. “A cada dia percebo mais o quanto este texto é rico e complexo. Ele tem uma abordagem universal e contemporânea ao discutir a questão da identidade que, muitas vezes, é o fator que mais dificulta as relações afetivas entre pais e filhos, sejam heterossexuais, homossexuais ou transexuais”. Ela ainda ressalta a pertinência da obra em expor a questão da necessidade dos filhos cuidarem dos pais idosos.

“Eu sou como sou. Eu mesma. E é isso.”

Ferretti explica que este monólogo é uma narrativa poética que caminha pelo labirinto da memória da personagem. Emmanuel Darley escreve de forma sensível sobre um ser humano e sua real identidade, sobre a incomunicabilidade entre pessoas que se amam e sobre a busca incansável pelo laço afetivo um dia perdido.

A cenografia (de Oswaldo Gonçalves) tem proposta simbólica, não retrata espaço algum. Até o final do espetáculo o público não identifica que lugar abriga a protagonista e suas memórias. No cenário, este labirinto emocional é representado por camadas de tecido muito fino que formam trilhas e protege sutilmente a cena do olhar direto do espectador.

O enredo
Durante algum tempo, sempre às terças-feiras, Paula se desloca da cidade grande onde mora até a cidade que abandonou quando jovem, para se dedicar ao pai, André. Ela passa o dia com ele. Arruma e limpa sua casa, lava e passa ferro em suas roupas. Apesar de tanta dedicação ele quase não conversa com a filha.

Paula e o pai vão ao Hiper fazer as compras da semana. O suficiente para alimentá-lo até a próxima terça-feira. O caminho da casa ao supermercado é sempre percorrido pelo pai de forma lenta e distante, uma maneira de evitar a companhia da filha. No Hiper, após pequenos rituais entre as prateleiras de produtos, é chegado o momento de encarar a fila do caixa. Todos os olhares se voltam para eles, especialmente para Paula que lamenta a não cumplicidade do pai. E ela é forçada a se lembrar que um dia, naquela cidade onde passou sua infância, ela já foi Paulo.

Ficha técnica
Espetáculo: Terça no Hiper
Texto: Emmanuel Darley
Tradução e interpretação: Fábio Ferretti
Direção: Vany Alves
Cenografia e figurino: Oswaldo Gonçalves
Fotos: Denise Lima
Programação visual: Claudio Queiroz

Serviço
Estreia: 15 de março – sexta-feira – às 21h30
Teatro Augusta - Sala Experimental - www.teatroaugusta.com.br
Rua Augusta, 943 – Cerqueira César/SP - Tel: (11) 3151- 4141
Temporada: de 15 de março a 28 de abril
Horários: sexta (21h30), sábado (21 horas) e domingo (19 horas)
Ingressos: R$ 30,00 (meia: R$ 15,00). Bilheteria: 4ª a 5ª (14h às 21h), 6ª (14h às 21h30), sáb. (15h às 21h) e dom. (15h às 19h). Faz reserva por telefone.
Aceita cartões. Gênero: Drama. Duração: 60 min Classificação etária: 16 anos
Lotação: 30 lugares. Antecipados: www.ingressorapido.com.br (tel: 4003-1212).
Ar condicionado. Acesso universal. Estacionamento conveniado no local.

Fonte:Verbena Comunicação