Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ A Dama Indigna

A Dama Indigna

Publicada em : 17/08/2012

O repertório traz releituras de clássicos de Chico Buarque, Toquinho, Rolling Stones, Tom Waits, Amy Winehouse, George Gershwin e Kurt Weill, entre outros


Antes de abrir o Festival de Jazz de Ouro Preto, em setembro, ao lado de João Bosco e Romero Lubambo, a cantora e pianista Cida Moreira comemora a 100ª apresentação de A Dama Indigna em único show dia 24 de agosto, sexta-feira, no Teatro APCD. Trata-se da continuidade da turnê que está na estrada desde janeiro de 2011 com o lançamento do CD de mesmo nome, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. Dirigido por Humberto Vieira, marido da artista, o show obteve sucesso de público e crítica e representou uma retomada no estilo que marcou a carreira de Cida em seu primeiro disco, Summertime.

Em A Dama Indigna, Cida revive o formato “piano-voz” que a lançou em 1981 com o disco editado pelo emblemático selo Lira Paulistana, da vanguarda música paulista dos anos 1980. A cantora, que já gravou discos de samba, com bandas completas, aposta no intimismo de um formato solitário em que pode explorar toda sua potência e carisma vocal.

Com sua pegada teatral, Cida Moreira brinca com o charuto, o cálice de conhaque e a rosa vermelha, ícones que dão o tom do espetáculo e preparam o clima para a sequência de canções. “Uma imensa cortina vermelha, vasos com plumas no tom de dourado, tudo na melhor estética do cabaré alemão, do francês e de sua versão brasileira também”, comenta o diretor, sobre o cenário.

No roteiro, o fio condutor é a passagem do tempo. Textos e ações intercalam as músicas. São leituras dramáticas de trechos de obras literárias de Phillip Roth, Cesare Pavese, Bertolt Brecht, Dante Alighieri e do próprio diretor do show. O poema homônimo de Marcelo Fonseca abre o show.

Sozinha no palco, a cantora equilibra entre os dedos charutos e teclas de piano, ao interpretar, de forma personalíssima, canções de compositores como Caetano Veloso, David Bowie, Jards Macalé e Gonzaguinha. Envolvendo-se na fumaça que cheira a Belle Epoque, destila a rouquidão e intensidade de sua voz curtida de álcool entre acordes graves, tangos angustiados e “canções para cortar os pulsos”.

O repertório traz releituras de canções de artistas nacionais e internacionais. A cantora toca baladas, tangos e blues de George Gershwin (The Man I Love), Kurt Weill (Lost In The Stars), Chico Buarque (Uma Canção Desnaturada), Toquinho e Guarnieri (Sou Assim), Renato Barros (Maior Que O Meu Amor), Rolling Stones (Sympathy For The devil), Tom Waits (Lullaby) e Amy Winehouse (Back to Black), entre outros. O show já percorreu Capitais e Interior do Brasil, de Porto Alegre a Belém do Pará.

Para roteiro 
A DAMA INDIGNA – Com Cida Moreira (piano e vozes). Direção: Humberto Vieira. Direção Musical: Cida Moreira. Única apresentação – Sexta-feira, 24 de agosto de 2012, às 21h30 no Teatro APCD. Ingressos: R$ 60 (Inteira), R$ 30 (Meia) e R$ 25 (Associados APCD). Capacidade: 800 lugares. Classificação: livre. Duração: 60 minutos.
TEATRO APCD. Rua Voluntários da Pátria 547 – Santana – São Paulo/SP Telefone: (11) 2223-2424 Lotação: 800 lugares. Bilheteria: De quarta-feira a sábado, das 15h às 22h e domingo, das 15h às 20h. Pagamento: Dinheiro ou cheque. Acesso para deficientes físicos. Ar condicionado. Estacionamento no local, coberto e com seguro. A 100 metros da estação do metro Tietê. http://www.apcd.org.br/teatroapcd/

Fonte:Arteplural Comunicação