Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Jorge Amado no Museu da Língua...

Jorge Amado no Museu da Língua Portuguesa

Publicada em : 04/07/2012

A exposição fica até 22 de julho em São Paulo, depois segue para o Museu de Arte Moderna da Bahia


A exposição Jorge Amado e Universal, que fica em cartaz no Museu da Língua Portuguesa até o dia 22 de julho, comemora seu sucesso – cerca de 92 mil pessoas visitaram a mostra – e convida o público para as últimas semanas de exibição em São Paulo. Com acervo pertencente à Fundação Casa de Jorge Amado e à família do célebre escritor, entre outros, Jorge Amado e Universal segue para o Museu de Arte Moderna da Bahia – de 10 de agosto a 14 de outubro de 2012. 

A mostra é dividida em módulos distintos, cada um deles dedicado a um aspecto marcante na vida do autor. “Não tivemos a pretensão de esgotar nem a biografia, nem a criação ficcional de Jorge Amado. A ideia é fornecer pistas, sugerir caminhos, para que o visitante fique instigado, tenha vontade de ler e de descobrir mais depois da exposição”, explica William Nacked.

O primeiro módulo é dedicado aos personagens – dentre mais de mil nomes, nove foram escolhidos por representar a diversidade e abrangência da obra em diversos períodos. Eles têm destaque em materiais audiovisuais que ajudam a contextualizar os personagens e os livros. São datiloscritos com correções feitas à mão por Jorge Amado, ilustrações das obras, fotos que remetem ao universo dos romances e algumas curiosidades, como produtos e restaurantes que levam nomes dos personagens. Cada monitor terá também um trecho locutado da obra em questão.

Na mesma sala, uma instalação passa a ideia da verdadeira multidão de personagens principais e figurantes criados: milhares de fitas similares à tradicional do Senhor do Bonfim estarão afixadas, trazendo nomes de outros cem personagens – sejam fictícios, como Tieta (de Tieta do Agreste), Florzinha (de Tocaia Grande) e Ana Mercedes (de Tenda dos Milagres); ou pessoas reais que Jorge Amado inseria na ficção, como Getúlio Vargas, Hitler e Lampião.

O segundo espaço apresenta a faceta política do autor, que chegou a ser eleito Deputado Federal por São Paulo e era comunista. O terceiro discutirá as misturas que, segundo Jorge Amado, caracterizam o Brasil – sobretudo a miscigenação e o sincretismo religioso.

Outro módulo é dedicado à malandragem e à sensualidade presentes em sua obra. Em seguida, uma seção apresentará a Bahia tal como foi ‘(re)inventada’ por Jorge Amado, com suas belezas e suas mazelas.

Há ainda espaço para depoimentos de amigos, artistas e críticos, para uma cronologia sintética da vida do escritor e para destacar sua presença internacional, entre outros aspectos.

Na área dedicada ao alcance internacional, o objetivo é dimensionar para o público a imensidão de Jorge Amado no mundo com a exibição de livros publicados em diversos países – de uma capa finlandesa de Tocaia Grande a uma edição de bolso francesa de Dona Flor.

O espaço expositivo foi concebido a partir da utilização de símbolos presentes não só na cultura baiana, mas, sobretudo, na vida e obra de Jorge Amado. A cenografia está estruturada em armações metálicas, numa referência indireta às grades de ferro que embelezam muitas casas e espaços públicos de Salvador – entre eles o Solar do Unhão e a Praça Castro Alves.

Nessa estrutura, que têm ao mesmo tempo papel construtivo e narrativo, estão inseridos símbolos e objetos em sua forma original, como garrafas de dendê, fitinhas do Bonfim com frases especiais impressas, cacau torrado, azulejos brancos e azuis à moda baiana, entre outros elementos que remetem a Jorge Amado e à Bahia.

Fotografias, objetos, folhetos de cordel, filmes, jornais históricos, charges, documentos, ilustrações, correspondências, depoimentos, objetos de uso pessoal entre outros elementos, estão presentes.

Ficha Técnica
Realização: Grapiúna e Fundação Casa de Jorge Amado
Organização: N&A Mercado Cultural e AMCCB - Associação de Museus e Casas de Cultura do Brasil
Apoio: Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo/Museu da Língua Portuguesa
Patrocínio: Banco Santander
Direção geral: William Nacked
Concepção e Produção Executiva: arte3
Direção de Produção: Ana Helena Curti
Conteúdo: Ana Helena Curti, Fernando Lion, Ilana Goldstein
Produção Executiva: Angela Magdalena, Fernando Lion
Equipe de Produção: Cássia Campos, Dea Marcia de Almeida Federico, Mariana Chaves, Paula Garcia, Renata Moura
Expografia: T+T Projetos - Daniela Thomas e Felipe Tassara
Projetos Multimídia: 02 filmes
Projetos Editoriais: Cia. Das Letras
Direitos Autorais: Copyrights Advogados

Fonte:Comunicare Consultoria de Comunicação