Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Um Dia Ouvi a Lua na Vila Form...

Um Dia Ouvi a Lua na Vila Formosa

Publicada em : 30/11/2011

A peça conquistou o Prêmio Myriam Muniz de Circulação 2011



O espetáculo “Um Dia Ouvi a Lua”, obra inédita de Luís Alberto de Abreu e dirigida por Eduardo Moreira, do grupo mineiro Galpão, participa nos próximos dias 9, 10 e 11 de dezembro, do programa 2011 em Cena, da prefeitura paulista. As apresentações serão no Teatro Zanoni Ferrite, na Vila Formosa, sexta-feira e sábado, às 20h, e domingo, às 19h.

A peça conquistou o Prêmio Myriam Muniz de Circulação 2011, concedido pela Fundação Nacional das Artes (Funarte), do Ministério da Cultura, e que possibilitará a realização de 12 apresentações, de fevereiro a abril do próximo ano, em nove cidades do interior de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Inspirada nas canções Adeus, Morena, Adeus (Piraci/Luiz Alex) Cabocla Tereza (João Pacífico/Raul Torres) e Rio Pequeno (Tonico/João Merlini), gravadas pela famosa dupla caipira Tonico & Tinoco, a peça revela três diferentes mulheres que invertem os valores machistas das narrativas dessas composições, conhecidas do cancioneiro popular brasileiro, recriando-as do ponto de vista feminino.

O espetáculo foi produzido pela Cia Teatro da Cidade de São José dos Campos, em comemoração aos seus 20 anos de existência, por meio do Programa de Ação Cultural (Proac) da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

Escrita especialmente para o grupo pelo dramaturgo Luís Alberto de Abreu que, entre outros trabalhos, foi o autor do roteiro adaptado da minissérie “Hoje é Dia de Maria”, a peça estreou no Sesc São José dos Campos, em março de 2010 e ficou em cartaz no Teatro Coletivo em São Paulo de junho a agosto desse ano, além de realizar apresentações em várias cidades do interior paulista, como Caçapava, Pindamonhangaba, Santo André, Ourinhos, Bragança Paulista, entre outras.

“Um Dia Ouvi a Lua” conta ainda com o trabalho do premiado Leopoldo Pacheco, que é quem assina, juntamente com a artista plástica Ana Maria Bomfin Pitiu, os figurinos e cenografia, do músico e compositor Beto Quadros, para a direção musical e arranjos, esses juntamente com Ernani Maletta, e de Claudio Mendel, na iluminação e co-direção.

O espetáculo é resultado de cenas criadas por meio de processo colaborativo entre dramaturgia, direção e atores e de pesquisas do universo caipira brasileiro, que esbanja beleza visual, além da bem-sucedida apropriação da prosa poética de Abreu.

A montagem conquistou o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro (CPT) 2010 de Melhor Espetáculo do Interior de São Paulo, e em 2011, recebeu as seguintes indicações: Prêmio Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), de melhor dramaturgia para Luís Alberto de Abreu; Prêmio Shell de melhor direção musical e Prêmio CPT de melhor projeto sonoro, ambos para Beto Quadros. No Festival Nacional de Teatro de Pindamonhangaba (SP), realizado de 5 a 29 de outubro desse ano, recebeu os prêmios de Melhor Direção, Cenografia, Iluminação e Espetáculo.

Criada em 1990, a Cia Teatro da Cidade se dedica à pesquisa e aos estudos das artes cênicas e há cerca de dez anos, com a montagem de Maria Peregrina, também de Luís Alberto de Abreu, utiliza a linguagem narrativa em suas criações cênicas. Já produziu 18 espetáculos e percorreu diversas cidades do país e do exterior, recebendo mais de 80 prêmios em festivais e mostras de teatro no Brasil.

Sinopse
A canção, “Adeus, Morena, Adeus” destaca, na versão de Abreu, Beatriz e não o violeiro que prefere seguir uma vida errante a casar-se. Abandonada por ele na estação de trem, a personagem, volta todos os dias, à mesma estação, agora desativada, para contar a versão de sua história e a esperança de reencontrar o seu grande amor.

Em “Cabocla Tereza” a famosa história dessa canção popular ganha a voz da própria Tereza que, embora já morta volta para esclarecer o seu trágico fim, ao abandonar o marido.

A canção “Rio Pequeno” apresenta S’a Maria que, apaixonada pelo caboclo Cipriano, abandona seu pai e foge com ele para o Mato Grosso. No caminho, observa a violência do amado com seu cavalo e decide voltar, mas Cipriano a reconquista não pela força, mas por deixar escapar sua fragilidade.

Serviço:
Um Dia Ouvi a Lua, de Luís Alberto de Abreu
Gênero: Comédia dramática
Direção: Eduardo Moreira
Elenco: Adriana Barja, Ana Cristina Freitas, Andréia Barros, Izildinha Costa, Vander Palma e Wallace Puosso
Datas e horários: 9 e 10 de dezembro, 20h – 11 de dezembro, 19h
Local: Teatro Zanoni Ferrite – Avenida Renata, 163 – Vila Formosa
Ingressos gratuitos
Informações: (11) 2216-1520
Recomendação etária: 12 anos
Duração: 70 minutos
Site do grupo: www.ciateatrodacidade.com.br

Fonte:Andreia Barros