Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Aids sobe ao palco

Aids sobe ao palco

Publicada em : 30/09/2011

Best-seller sobre Aids vai para os palcos e estreia dia 5 de outubro no Teatro Anchieta do SESC Consolação


Primeira adaptação para os palcos do livro homônimo de Valéria Piassa Polizzi (lançado em 1997 no Brasil, com mais de 300 mil exemplares vendidos). Com produção da jornalista Roseli Tardelli, produtora cultural, apresentadora e ativista do movimento de Aids, a peça resulta de adaptação da obra feita pelo dramaturgo Dib Carneiro (prêmio Shell de autor em 2008 por Salmo 91), que coloca em cena as histórias, sofrimentos, superação e vitórias de uma jovem que, com coragem e determinaç ão, leva sua vida adiante. 

Depois Daquela Viagem aborda o preconceito como assunto principal - um tema que começa a fazer sentido na adolescência, época em que mais se questiona o sentido da vida, a essência das relações e o futuro. A partir de um caso específico de indicação soropositiva na personagem central, o preconceito aparece na trama sob várias formas: raça, deficiências físicas, sexo. Mas nunca em tom de lição de moral.

A montagem traz uma narrativa veloz e instigante. “Fiz uma peça cheia de cenas curtas, muito entrecortada, ágil, aflita, corrida, porque a gente sabe que o tempo dos jovens é assim, bem diferente do tempo dos ‘maduros’. Foi um desafio, mas o livro da Valéria já tem muito ritmo, e isso me ajudou muito,” observa Dib Carneiro Neto.

Dib optou por colocar em cena três Valérias diferentes. Uma Valéria conta suas memórias de infância e a relação com os pais separados. A outra vive sua relação com os médicos, dentro dos consultórios, lidando com os preconceitos logo na descoberta do vírus, tentando aprender a viver com a doença. A terceira assume as cenas em que Valéria está nos EUA, estudando, conhecendo gente nova, ampliando seus horizontes.

“As três se relacionam o tempo todo durante o espetáculo e se unem no final. É como se, ao receber a notícia, ela se multifacetasse, se esfacelasse – essa é a ideia da divisão da personagem em três. À medida em que ela vai suportando e driblando sua nova realidade, junta de novo todas as partes e segue em frente. É realmente uma belíssima lição de vida”, completa o dramaturgo.

O cenário e o figurino de Márcio Medina estão apoiados nos elementos do universo hospitalar, como macas, cadeiras de rodas e suportes para soro. “Eles se transformam durante a apresentação. Pretendo utilizar gazes de curativos para confeccionar cortinas e biombos que dividam as cenas”, conta Medina. Nos figurinos, o objetivo é buscar uma conexão com os jovens.

A diretora Abigail Wimer explica essa opção pelos objetos hospitalares na direção de arte: “Depois Daquela Viagem é uma grande história. Bem vivida e bem escrita por Valéria, e bem adaptada por Dib Carneiro. O texto trata de sexo, preconceito e precaução. A montagem enfatiza a ausência da precaução e, por isso, o pano de fundo é o universo da medicina”.

Sobre ter finalmente seu livro adaptado para o teatro, Valéria relata: “É gratificante saber que minha história, 13 anos depois de o livro ter sido publicado, continue ajudando a tratar da temática da Aids, do preconceito e da adolescência. Ver algumas cenas me fará entrar em contato novamente, e, muitos anos depois, com trechos marcantes de minha vida. Isso dá um certo frio na barriga”, acredita Valéria.

Ao falar de preconceito, a ideia fundamental da peça é abordar a tolerância. Com relação à Aids, o espetáculo é também um alerta para que os jovens não voltem a se expor às consequências da desinformação, não só quanto às formas de se contaminar, mas também em relação ao que é viver com o vírus da AIDS no corpo.

Para roteiro:
Depois Daquela Viagem – Estreia dia 5 de outubro, quarta-feira, às 20 horas no Teatro Anchieta do SESC Consolação. Autor - Dib Carneiro Neto. Direção geral e musical - Abigail Wimer. Direção de atores - Silen de Castro. Assistente de direção - Alcione Alves. Elenco - Camila Minhoto, Carol Capacle, Charlene Chagas, Daphne Bozaski, Eliot Tosta, Geraldo Rodrigues, Giovani Tozi, Leonardo Stefanini, Maria Bia Martins, Mariana Leme, Naiara de Castro, Osvaldo Antunes, Rafael Sola e Renata Fasanella. Cenários e figurinos - Márcio Medina. Iluminação - Domingos Quintiliano. Direção de Produção - Roseli Tardelli. Produção - Maurício Barreira. Assistente de Produção - Gabriela Palumbo. Duração – 1h40. Censura –14 anos. Ingressos: R$ 10,00, R$ 5,00 e R$ 2,50.

TEATRO ANCHIETA – Rua Dr. Vila Nova, 245. Tel: 3234-3000. Capacidade – 320 lugares. Ar condicionado e espaço para deficientes físicos. Aceitam-se cartões de crédito (todas as bandeiras) e cheques de todos os bancos. Bilheteria – De segunda a sexta, das 12h30 às 21 horas, sábados, das 9 às 21 horas e aos domingos, das 14 às 20 horas. www.sescsp.org.br

Fonte:Arteplural