Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ Quando o rock vira arte

Quando o rock vira arte

Publicada em : 19/09/2011

A Editora Nacional coloca a obra nessa sexta-feira (23), na livrarias de todo o País

Nas décadas de 1970, 1980 e 1990 foram criadas as mais gloriosas peças de arte gráficas do rock, transformando este gênero musical em um dos mais populares do mundo. Toneladas de dinheiro eram arrecadadas com a produção de gravações e eventos ao vivo fazendo surgir grandes festivais, chamados de shows de rock. Para promovê-los milhares de peças foram elaboradas culminando no desenvolvimento das artes gráficas: capas de disco, cartazes de shows, anúncios de jornal, displays colocados em lojas de discos, crachás de bastidores e todos os tipos de artigos oferecidos pelas gravadoras. Para ilustrar esse período chega ao Brasil o livro A arte do rock (Editora Nacional), que mostra como grandes ícones do rock desenvolveram seus visuais e até mesmo suas identidades com ajuda de artistas de outras áreas.

Lançado em outubro de 2010 na Inglaterra e Estados Unidos, o livro tem como base uma coleção particular, a de Rob Roth, um produtor de show da Broadway com envolvimento direto no negócio rock and roll. Ele juntou durante décadas diversas peças que chamou de “coisas incríveis do rock” incluindo alguns itens de campanhas criadas para os maiores músicos do gênero.

O livro é dividido entre oito ícones: The Rolling Stones, Pink Floyd, The Who, Led Zeppelin, David Bowie, Alice Cooper, Elton John e Queen. Com base nas peças de Ruth, o autor Paul Grushkin recupera toda a composição da discografia e apresenta as peças publicitárias de divulgação e promoção de cada um desses grandes nomes do rock.

Cada parte do livro cobre uma determinada ação enfocando turnês e álbuns para mostrar as mudanças no design e estilos gráficos. Uma introdução coloca as imagens no contexto, descrevendo o desenvolvimento dos grupos e suas ações em termos de apresentação visual e discutindo a arte gráfica e seus criadores. Todos os itens apresentados têm legenda, com a coleção em geral destacando o excesso às vezes exorbitante, a inegável criatividade e as despesas monumentais envolvidas na promoção do rock nos anos 70, 80 e 90.

Um aspecto interessante mostrado no livro é como a arte desenvolvida para a promoção das bandas acabou moldando o comportamento e se tornando símbolos emblemáticos de muitas delas. A língua dos The Rolling Stones, o visual teatro de horror de Alice Cooper, o simbolismo do Pink Floyd, a feitiçaria do Led Zeppelin, o androgenismo de David Bowie e até a destruição de instrumentos do The Who foram incorporados a eles em meio à criação de peças gráficas, em um processo de trocas que ajudaram a desenvolver tanto o estilo do rock como novas técnicas visuais. O autor, Paul Grushkin, diz no livro, por exemplo, que Mick Jagger recrutava os principais artistas e fotógrafos para supervisionar os projetos da banda. Prefácio de Alice Cooper.

Serviço
Livro: A arte do rock
Autor: Paul Grushkin
Editora: Companhia Editora Nacional
Páginas: 256
Preço: R$ 98,00

Fonte:Companhia Editora Nacional