Cultura

Home/ Notícias Online/ Cultura/ É Samba que elas querem!

É Samba que elas querem!

Publicada em : 19/03/2019

Com programação de shows, rodas de samba, palestra, oficina e sessões de cinema

Divulgação
Divulgação
Nilze Carvalho homenageia D. Ivone Lara (dia 21/3); Virgínia Rosa canta Clara Nune (25/3); e Nega Duda interpreta Clementina de Jesus (11/4).

Programação tem bate-papo com Leci Brandão (dia 1/4), rodas de sambas no coreto da praça, oficinas de percussão e sessões de cinema

De 20 de março a 12 de abril, o Sesc Carmo abre suas portas e sai pelas ruas do centro de São Paulo para celebrar a presença e a importância das mulheres no ritmo mais tradicional do Brasil: o samba. Serão shows musicais, rodas de sambas, documentários, bate-papos e diversas ações que mostram a presença de mulheres como grandes cantoras, compositoras, instrumentistas e transformadoras do samba como manifestação cultural.

Desde os primeiros batuques, a história do samba foi marcada pela presença feminina. O projeto É samba que elas querem! busca resgatar essa importância histórica ao exaltar o papel das mulheres. A programação traz a cantora, compositora e bandolinista de 30 anos de carreira Nilze Carvalho, que homenageia D. Ivone Lara (dia 21/3); a cantora e atriz Virgínia Rosa, canta Clara Nunes (25/3) e Nega Duda, a referência do samba de roda baiano em São Paulo (11/4), que interpreta Clementina de Jesus. Programação tem Leci Brandão (dia 1/4), rodas de samba no coreto da praça Antônio Prado, oficinas de percussão e sessões de cinema.

São shows em homenagem a mulheres que trilharam seus passos no samba e deixaram suas marcas na música brasileira, apresentação de rodas ao ar livre unindo novas gerações e matriarcas do samba paulistano, além de bate-papos, exibição de documentários e oficinas intensivas de percussão e canto. Se é samba que elas querem, a ordem é samba. E nada mais!

PROGRAMAÇÃO

Shows musicais


Dia 21 de março, quinta, 19h30. Salão 1
Nilze Carvalho canta Dona Ivone Lara. Participação de Renata Jambeiro
Ingressos - R$ 6,00; R$ 10,00; R$ 20,00.
À venda na bilheteria e site escsp.org.br/Carmo.

Nilze Carvalho homenageia Dona Ivone Lara (1922 - 2018). Conhecida como Dama do Samba, Dona Ivone Lara é autora de sucessos como "Sorriso Negro", "Acreditar" e "Sonho Meu". A cantora, compositora e instrumentista, nascida em Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, tem cinco discos, um DVD, 30 anos de carreira e uma trajetória internacional: já se apresentou na Ásia, Europa e América Latina. Com licenciatura em música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, o show conta com a participação especial de Renata Jambeiro, cantora, compositora e atriz. Foi finalista do Prêmio da Música Brasileira - 2016 na categoria Melhor Cantora de Samba.


Dia 25 de março, segunda, 19h30. Salão1
Virgínia Rosa canta Clara Nunes
Ingressos - R$ 6,00; R$ 10,00; R$ 20,00.
À venda na Bilheteria e pelo portal sescsp.org.br/Carmo

A cantora paulista Virgínia Rosa, que tem seis trabalhos na discografia, além de um DVD, faz show em homenagem a Clara Nunes (1942 – 1983) e interpreta sucessos da cantora mineira que, na década de 1970, se tornou a primeira mulher brasileira a ultrapassar a barreira dos 100 mil discos vendidos. Virgínia Rosa iniciou a carreira como vocalista da banda Isca de Polícia, de Itamar Assumpção. Desde então, participou de projetos diversos na música e nas artes cênicas, e lançou discos como Batuque (1997), Samba a Dois (2006), Virgínia Rosa e Geraldo Flach (2010) e Virgínia Rosa canta Clara (2015).

Dia 11 de abril, quinta, 19h30. Salão 1
Nega Duda canta Clementina de Jesus
Ingressos - R$ 6,00; R$ 10,00; R$ 20,00.
À venda na Bilheteria e pelo portal sescsp.org.br/Carmo

Nega Duda interpreta sambas, jongos e modas do repertório da "Rainha Quelé", como era conhecida Clementina de Jesus (1901 - 1987). Clementina teve seu talento para a música descoberto quando tinha mais de 60 anos de idade, na década de 1960. Ducineia Cardoso é referência do samba de roda baiano na capital paulista. Vinda de São Francisco do Conde, no Recôncavo baiano, Nega Duda aprendeu as primeiras canções, os primeiros sambas na beira do rio, lavando roupa. Nega fez sua primeira viagem internacional ao integrar comitiva brasileira no 17º Festival de Montpellier-Printemps des Comédiens (França).

Rodas de samba

Dia 22 de março, sexta, das 17h às 18h30
Coreto Praça Antônio Prado
Livre. Grátis - Sem retirada de ingressos.

Amigas do Samba convidam Tia Cida dos Terreiros
Com um repertório de sambas desde 1920 até a atualidade, incluindo composições autorais, o movimento sociocultural Amigas do Samba surgiu em 2011 com objetivo de ser uma ferramenta para enfrentamento da violência contra a mulher.
                                         
Samba Delas convida Bernadete

Dia 29 de março, sexta, das 17h às 18h30
Coreto Praça Antônio Prado
Livre. Grátis - Sem retirada de ingressos.

Composta por seis integrantes que estão na luta pela perseverança e resistência da mulher no samba, a comunidade Samba Delas
surgiu em 2008 com o intuito de dar visibilidade às mulheres nas rodas de samba como compositoras, cantoras e musicistas.

Samba de Dandara convida Roberta Oliveira e Dona Duda Ribeiro

Dia 5 de abril, sexta, das 17h às 18h30

Coreto Praça Antônio Prado
Livre. Grátis - Sem retirada de ingressos.

Com respaldo na força e ancestralidade de Dandara, guerreira mulher negra, o grupo faz da roda de samba lugar para reflexão sobre o lugar da mulher na sociedade.

Roda de Samba Aberta. Com Samba da Elis e Sambadas
Dia 12 de abril, sexta.

16h30 às 17h30 - Roda de Samba Aberta à participação do público. Necessário levar os próprios instrumentos para participar. 
17h30 às 18h30 - Samba da Elis convida Sambadas
Coreto Praça Antônio Prado
Livre. Grátis - Sem retirada de ingressos.
A roda convida e incentiva a participação do público, sob coordenação do Samba da Elis, que nasceu em 2015 como evento mensal
com o intuito de ampliar a representatividade das mulheres como musicistas. Logo após, o grupo Sambadas se apresenta.

Ações formativas
De 20 de março a 10 de abril, quartas, das 18h30 às 20h

Sala 3 Múltiplo Uso
Inscrições na Central de Atendimento a partir de 7/3  - Vagas limitadas.

Roda de samba para mulheres. Com Beatriz Tomaz,
Dada Samba, MaíraRanzeiro e Verônica Borges

Oficinas intensivas de percussão e melodia para iniciantes. A cada encontro, em formato de roda de samba, as musicistas
que conduzem a atividade auxiliam e estimulam as participantes, dando apoio necessário para acompanharem e interagirem musicalmente.

*As participantes devem levar seus próprios instrumentos.

CineSamba: "Damas do Samba" e bate-papo com Susanna Lira
Dia 26 de março, terça, 17h
Área de Convivência
Grátis - Sem retirada de ingressos.

Exibição do longa-metragem “Damas do Samba” (Dir. Susanna Lira. BRA, 2013, 75’), seguido de bate-papo com a diretora. O documentário faz um
breve passeio pela história de mulheres que marcaram o samba, reverenciando e reconhecendo a sua força e a contribuição para a construção deste enredo.

CineSamba: "Bambas" e "As Mulheres no samba de São Paulo"

Dia 1 e abril, segunda, 17h
Área de Convivência
Grátis - Sem retirada de ingressos.

Exibição dos curtas-metragem "Bambas, as Mulheres no samba de São Paulo" (Dir.: Anná Furtado. BRA, 2017, 20’), e “Esse Bumbo é meu” (Dir.: Paula Simões,
Ruy Reis, Dagmar Serpa, Marina Chekmysheva, Daniel Mirolli. BRA, 2016, 15’). “Bambas” traz mulheres sambistas de São Paulo de diferentes idades, classes e
ideias, mostrando as dificuldades e situações que o samba impõe às que se aventuram em suas rodas. “Esse bumbo é meu” registra o samba de bumbo,
expressão musical tradicional do interior de paulista, e apresenta a luta das mulheres para manterem viva a cultura de seus ancestrais, enfrentando preconceitos e conflitos.

Bate-papo:Samba e Resistências.
Com Leci Brandão e Kelly Adriano de Oliveira

Dia 1 de abril, segunda, das 18h às 20h. Salão I
Livre. Grátis - Sem retirada de ingressos.

Leci Brandão e Kelly Adriano de Oliveira conversam com o público sobre as relações entre samba e as diversas resistências que o atravessam,
abordando temas como igualdade racial, a afirmação do espaço das mulheres na música e a inclusão do samba nas políticas culturais.

SERVIÇO
Projeto - É samba que elas querem. De 20 de março a 12 de abril no Sesc Carmo
- Rua do Carmo, 147 – Sé, (o11) 3111-7000. Classificação indicativa: 16 anos. Capacidade: 190 pessoas. Quanto: R$ 6,00 (Comerciário) – R$10,00 (Meia Entrada) – R$20,00  (Inteira).

Fonte:Arteplural Assessoria de Imprensa